quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

O PCdoB de São Paulo e os movimentos sociais:

Dirigentes partidários e lideranças com atuação em frentes comunitárias, de juventude, esporte e cultura, sindicalistas, movimento de mulheres e movimento anti-racista participaram, no dia 10 de janeiro, do Encontro dos Movimentos Sociais do Comitê Paulistano do PCdoB. A reunião ocorreu das 10 às 17 horas, no auditório do Sindicato dos Marceneiros do Estado de São Paulo.

Por Edmundo Fontes*
Colaborou André Cintra

Com 150 participantes, o encontro contou na mesa de abertura com Ricardo Abreu (Alemão), secretário nacional de Movimentos Sociais e Juventude do PCdoB, e Marcos Emilio, secretário de Movimentos Sociais do PCdoB-SP. Os dois dirigentes comunistas fizeram um balanço da conjuntura política, nos planos nacional e estadual, expondo os desafios atuais dos movimentos. O vereador Jamil Murad e a presidenta do Comitê Paulistano do PCdoB, Júlia Roland, saudaram o encontro.

Ainda usaram a palavra no ato de abertura a presidenta do Cebrapaz e do Conselho Mundial da Paz, Socorro Gomes, e o jornalista José Reinaldo de Carvalho, secretário de Relações Internacionais do PCdoB. Eles pautaram o encontro com a discussão sobre a luta pela paz e a solidariedade aos povos — com destaque na luta contra a agressão de Israel a Faixa de Gaza e ao povo palestino.

Após um debate intenso e muito participativo, as lideranças presentes enfatizaram a necessidade de uma articulação permanente de todas as frentes de massas onde há atuação do PCdoB, tendo como eixo central a mobilização popular. A resolução do encontro, aprovada por unanimidade e encaminhada ao Comitê Paulistano do PCdoB, levou em conta as intervenções apresentadas e o debate realizado durante o encontro.

Sete ações prioritárias ganham destaque na resolução.

1) Intensificar o combate ao projeto conservador, elitista e autoritário na capital e no estado de São Paulo, representado pela coalizão liderada por Serra e Kassab, contribuindo para superar a concepção fragmentada e segmentada da ação dos movimentos sociais na atualidade;

2) Constituir um Fórum do partido nos movimentos sociais, onde o debate e a articulação política façam parte do cotidiano do trabalho das variadas frentes de luta na capital, unificando as lutas e visando ampliar além do partido a mobilização contra Serra e Kassab;

3) Impulsionar a organização da CMS (Coordenação dos Movimentos Sociais) na capital, contribuindo para consolidá-la no estado, onde podemos ter um papel ainda maior na articulação e na unidade mais ampla dos movimentos que fazem oposição às forças conservadoras lideradas pelo PSDB e DEM, lutando pela ampliação das mudanças iniciadas pelo governo Lula;

4) Participar e fortalecer o processo dos conselhos, de consultas públicas e de conferências de políticas públicas, ampliando e radicalizando os espaços de controle social e participação popular;

5) Fortalecer a CTB para que ela cumpra o papel de unificação das lutas das demais centrais sindicais e de constituição de um fórum de mobilização dos movimentos sociais composto por todas as entidades sob direção e influência do partido;

6) Articular a construção de uma entidade municipal do movimento comunitário, de caráter amplo, de massas e de luta, como instrumento de fortalecimento da Facesp e da Conam na capital e no estado de São Paulo;

7) Fortalecer a atuação dos movimentos sociais e dos mandatos do PCdoB na Câmara Municipal por meio de ações que permitam uma integração efetiva, permanente e com a presença e apoio dos nossos parlamentares.

Ao longo do debate, o encontro também traçou recomendações, como acompanhar, junto à Secretaria Estadual de Movimentos Sociais, nossa ação nas demais frentes de massas onde estamos ausentes; constituir o coletivo do partido para o movimento negro; e definir a composição da comissão de mulheres do Comitê Paulistano, propondo sua coordenação, e indicar ao comitê municipal a criação da Secretaria de Mulheres.

O encontro recomendou fortalecer a mobilização para os congressos da UNE e da Ubes, que serão realizados em 2009; fortalecer e participar do processo de eleição dos delegados ao Congresso da Facesp, marcado para o final de abril e o inicio de maio de 2009; constituir núcleos da UBM e da Unegro por distrital e por categorias, onde existirem condições reais e concretas; e participar da eleição do Conselho Municipal de Juventude.

O PCdoB de São Paulo, na opinião de suas lideranças nos movimentos sociais, também deve abrir ou articular seu trabalho em mais frentes. Entre essas ações, recomenda-se procurar realizar reuniões com os segmentos de cultura e esportes; além de constituir a fração do partido para a frente de criança e adolescente e participar da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente.

* Edmundo Fontes foi presidente da Conam (Confederação Nacional das Associações de Moradores) e é secretário de Movimentos Sociais do PCdoB de São Paulo (SP)